Menu do Site
Copyright MicroUniverso 2017
Sistema em nuvem: o que é e quais as vantagens?
1384
post-template-default,single,single-post,postid-1384,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,qode_grid_1300,side_menu_slide_from_right,footer_responsive_adv,qode-content-sidebar-responsive,qode-theme-ver-10.0,wpb-js-composer js-comp-ver-4.12,vc_responsive
 

Sistema em nuvem: o que é e quais as vantagens?

Sistema em nuvem: o que é e quais as vantagens?

Nos últimos anos, a atenção dos gestores se voltou às vantagens de uma nova modalidade tecnológica: o sistema em nuvem. O método, que permite a mesma usabilidade de um sistema com instalação local, mas suscita uma série de benefícios adicionais, tem conquistado cada vez mais espaço entre as empresas de vanguarda.

Se você ainda não está convencido e deseja contrapor informações, embasando sua decisão em percepções claras e confiáveis, é hora de entender com mais profundidade quais são os atributos e os diferenciais do cloud computing.

Neste texto, você será apresentado ao conceito, compreendendo como o sistema em nuvem efetivamente funciona. Além disso, também encontrará uma síntese das principais diferenças em comparação ao modelo tradicional. Por fim, terá acesso a algumas das principais vantagens dessa nova opção. Acompanhe!

Entenda o conceito do sistema em nuvem e como ele funciona

Tradicionalmente, os sistemas de gestão — responsáveis por integrar e automatizar toda a operação e, portanto, indispensáveis à gestão contemporânea — eram adquiridos e, posteriormente, instalados no servidor na empresa.

Esse padrão, que ainda hoje não deixou de ser eficaz, perdurou por muitas décadas. Nos últimos anos, porém, a evolução tecnológica ampliou o leque de possibilidades: o cloud computing, que disponibiliza ferramentas online, vem ganhando cada vez mais espaço entre as empresas de todo o mundo.

De forma geral, o sistema em nuvem dispõe das mesmas funcionalidades oferecidas por um software on-premise — como são chamados aqueles que precisam de uma infraestrutura local para operarem.

As diferenças mais significativas, portanto, estão no método de aquisição e de manutenção: enquanto a modalidade tradicional está amparada na “venda” de licenças e na administração interna de servidores e hardware, o sistema em nuvem se baseia no aluguel de licenças e de infraestrutura.

Ao optar por um sistema em nuvem, a empresa reduz seus custos iniciais com a instalação do ERP, uma vez que não adquire as licenças adicionais de que precisa (Windows, SQL Server etc), mas apenas as loca. Da mesma forma, os equipamentos necessários à hospedagem do sistema são terceirizados e, na empresa, funcionarão de forma online.

Para além das diferenças técnicas, que dizem respeito às particularidades que devem ser consideradas no momento da aquisição, é importante pontuar quais são as principais divergências, em âmbito operacional e rotineiro, entre as duas modalidades.

Sistema em nuvem

Uma vez decidido pela modalidade cloud, o gestor terá optado por assinar seu sistema de gestão. Ou seja: o custo de manutenção mensal será composto, principalmente, pelo aluguel das licenças e pelo aluguel da infraestrutura.

Cabe mencionar, ainda, que a transparência é um grande trunfo do cloud: a facilidade de medir a recorrência de uso também facilita a flexibilidade nas cobranças, tornando-as altamente confiáveis. O valor a ser pago condiz exatamente ao montante que foi utilizado.

Para viabilizar a operação, é preciso que se certifique de prover uma excelente conexão à Internet — já que todo o acesso às funcionalidades ocorre de forma online — e valorize fornecedores idôneos, capazes de garantir a segurança das informações transmitidas pela web.

Além disso, vale lembrar que, no caso dos sistemas em nuvem, as atualizações de versão costumam ocorrer com mais frequência e são de responsabilidade da empresa contratada — da qual alugam-se as licenças. Essa facilidade confere mais agilidade na tomada de decisão e na resolução de problemas, contribuindo para a gestão de excelência.

Sistema local

Ao contrário do que foi apontado anteriormente, ao escolher a modalidade on-premise, o gestor terá optado por adquirir licenças e preparar sua própria infraestrutura.

Evidentemente, esse cenário suscita maiores custos iniciais, uma vez que requer o investimento na compra do ERP, assim como na aquisição de equipamentos e na contratação de profissionais capacitados para geri-los.

Por outro lado, a instalação local tem, no que se refere aos pagamentos mensais aos fornecedores, um custo relativamente mais baixo — pois eliminam-se as taxas de aluguel.

É preciso tomar cuidado, porém, com os “custos escondidos”, considerando que a administração de equipamentos de hardware e a manutenção de um quadro maior de funcionários, designados para a gestão da infraestrutura, pode onerar consideravelmente os custos da organização.

Conheça as principais vantagens do sistema em nuvem

O recente movimento empresarial tem explicitado a disposição dos gestores em adotar a computação em nuvem — e os sistemas cloud são cada vez mais frequentes entre as organizações brasileiras e internacionais.

Para reforçar a pertinência dessa nova modalidade, atestando sua capacidade de alavancar as operações do negócio e, ao mesmo tempo, contribuir para otimizar os recursos da empresa, vale apontar algumas das suas vantagens mais expressivas.

Mobilidade

Em um mundo altamente conectado, no qual profissionais precisam de acesso instantâneo às informações de seu negócio, a mobilidade é um atributo extremamente importante — e cada vez mais valorizado entre as organizações mais competitivas.

O sistema em nuvem, em comparação ao modelo tradicional, oferece mais possibilidades: a partir da sincronização de arquivos com serviços de cloud storage (armazenamento de dados), a visualização e a alteração de documentos se tornam possíveis.

Além disso, toda a manipulação de informações é viabilizada via dispositivos móveis, como tablets e smartphones — uma grande comodidade aos gestores que estão sempre fora, executando tarefas essenciais ao crescimento da corporação.

Produtividade

Para muitos líderes, nuvem é sinônimo de produtividade. A afirmação é justificada na medida em que os sistemas em cloud permitem que profissionais alocados em localidades diversas, bem como em equipes distintas, possam acessar os mesmos dados e ao mesmo tempo.

Uma vez que o sistema dispõe de um repositório único, hospedado em nuvem, fica fácil tornar real e verdadeira a integração dos times, independentemente da distância.

O resultado de um trabalho mais coeso e alinhado, amparado em informações transparentes, é certamente uma execução mais produtiva — gerando, por sua vez, retornos mais vultuosos à empresa.

Segurança

Uma das maiores preocupações, no momento de optar por uma modalidade de aquisição, diz respeito ao grau de segurança. Há alguns anos, era até mesmo comum encontrar gestores que duvidassem da efetividade dos fornecedores de infraestrutura, colocando em dúvida sua capacidade de prover soluções confiáveis.

A realidade atual, entretanto, é bastante diferente. Sistemas em nuvem, integrados ao cloud storage, têm conexões HTPPS e disponibilizam diversos mecanismos que asseguram a transmissão segura de todos os dados transmitidos pela web.

Além disso, a contratação cloud já pressupõe a implantação de rotinas consistentes de controle de acesso, impedindo que haja vazamento de dados, e de ferramentas de backup, promovendo a tranquilidade de que nenhuma informação fundamental será perdida.

Diante disso, a mensagem é clara: o sistema em nuvem já é a preferência de um considerável número de gestores — e pode ser a escolha certa para o seu negócio.

Este conteúdo foi útil, e você deseja continuar recebendo informações de qualidade? Assine a nossa newsletter e fique sempre por dentro das novidades do mercado!