Menu do Site
Copyright MicroUniverso 2017
Aspectos sobre o mercado varejista brasileiro que você deve entender
1390
post-template-default,single,single-post,postid-1390,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,qode_grid_1300,side_menu_slide_from_right,footer_responsive_adv,qode-content-sidebar-responsive,qode-theme-ver-10.0,wpb-js-composer js-comp-ver-4.12,vc_responsive
 

Aspectos sobre o mercado varejista brasileiro que você deve entender

Aspectos sobre o mercado varejista brasileiro que você deve entender

O mercado varejista brasileiro vem passando por frequentes modificações. Afinal, ele se adapta às variações dos hábitos de compra das pessoas e se renova a cada ciclo iniciado. Nesse contexto, os empresários precisam se atualizar constantemente para enfrentar as mudanças do mercado.

Pensando nisso, mostraremos os sete principais aspectos do mercado varejista brasileiro que os gestores precisam acompanhar para se destacar em seu ramo de atuação. Acompanhe!

1. Os números do mercado varejista brasileiro

Os dados divulgados pela pesquisa mais recente da Associação Nacional dos Comerciantes de Material de Construção (Anamaco) mostram que o mercado varejista brasileiro é promissor. De acordo com o estudo, o setor fechou 2017 com um crescimento de 6% comparado ao ano anterior.

As estimativas para 2018 também são positivas. Segundo a Anamaco, a área deve ter um crescimento próximo de 8,5% nas vendas. Isso reforça a representatividade do mercado perante a economia nacional.

Entender o desempenho de cada região do país também pode ajudar a gerar mais negócios. Um estudo realizado pela Pyxis indica que a maior parte do mercado varejista de material de construção está no Sudeste.

Por isso, a região tem previsão de aumento de 5,1% de consumo, seguida pelo Nordeste (3,1%) e pelo Centro-Oeste (1,4%). Os dados são relativos ao consumo domiciliar, ou seja, relacionado às compras de pessoas físicas.

Portanto, acompanhar os números do setor possibilita o investimento em estratégias para alcançar uma posição de destaque em relação aos concorrentes. Entre as diversas ações que podem ser realizadas para aproveitar o cenário positivo está o relacionamento com o consumidor. Falaremos sobre o assunto no próximo tópico!

2. A importância do relacionamento com o cliente

Os consumidores vêm se tornando cada vez mais exigentes, tanto em relação à qualidade dos produtos adquiridos quanto ao atendimento no estabelecimento e no pós-venda. Por isso, investir no relacionamento com o cliente é uma boa maneira de alcançar bons resultados no mercado varejista.

Assim, invista na construção de uma base de clientes sólida e atualizada. Para garantir esse registro e a gestão das informações é fundamental usar uma solução de ERP. É a sigla em inglês para Enterprise Resource Planning, ou planejamento dos recursos da empresa. Esse tipo de programa integra as informações dos diferentes departamentos, reduzindo o retrabalho e dando mais clareza para a administração.

Automatizando tarefas, o ERP torna mais simples mapear as vendas e entender o perfil das pessoas que frequentam a sua loja.

Um exemplo: com um ERP, assim que uma venda é realizada, todos os outros setores são informados automaticamente. O vendedor registra a transação; a mercadoria é deduzida do estoque; o valor é informado para a contabilidade; e o departamento de compras se prepara para repor a mercadoria se for o caso. Tudo com um só clique, eliminando a necessidade de a mesma informação ser registrada várias vezes por setor.

O ERP também integra em tempo real todos os dados da empresa. É possível saber na hora qual setor ou loja vende mais, qual tipo de produto oferece maior margem de lucro, e se existem variações sazonais. Por exemplo, se o material para construção de piscinas vende mais no verão.

A partir do momento em que você tem esses dados em mãos, o ideal é traçar ações promocionais que combinem com os hábitos dos seus consumidores. A tecnologia é uma boa aliada nesse processo, pois agiliza a comunicação entre os clientes e as lojas, tornando a relação ainda mais próxima.

Por isso, estar atualizado em relação às novas formas de interagir com o consumidor e fidelizá-lo traz vantagens competitivas ao seu negócio. Implantar processos de gestão claros pode ajudar nessa etapa. Saiba mais no tópico a seguir!

3. A necessidade de reavaliar processos de gestão 

Alguns processos de gestão são essenciais para as empresas do ramo de comércio varejista, principalmente quando se trata daquelas que comercializam materiais para construção.

Organizar os produtos nas categorias adequadas e criar um layout agradável na sua loja, por exemplo, facilita muito a vida do consumidor e, consequentemente, faz com que ele compre mais. Por isso, acompanhe sempre como está a exposição dos itens, a iluminação e outros aspectos que podem atrair o interesse do cliente.

Um grande exemplo em layout de sucesso é a multinacional sueca Ikea, rede de móveis e acessórios para a casa. Nas lojas, os produtos estão dispostos de acordo com o ambiente em que serão usados: uma área de banheiros, outra de camas, outra de quarto das crianças, etc. Mas o caminho entre uma coisa e outra segue uma espécie de trilha em zigue-zague, um verdadeiro labirinto. O resultado é que o consumidor passa mais tempo na loja e acaba comprando mais.

Invista, ainda, na melhoria dos processos de compra e venda da loja, alinhando tudo com os fornecedores e colaboradores. O departamento de compras é um dos setores mais estratégicos no varejo de materiais para construção. É uma despesa recorrente e, portanto uma oportunidade frequente para investimentos melhores. Pesquisas de mercado podem identificar fornecedores mais baratos ou com melhores condições de pagamento.

Também mantenha um controle dos indicadores do negócio para saber se a organização está cumprindo as metas e identificar oportunidades para aumentar as vendas, por exemplo. Nesse quesito, o ERP pode ajudar muito. Para administrar é preciso medir, e sem uma ferramenta de precisão as decisões são tomadas basicamente com palpites.

Fazer o controle financeiro é outro processo importante para a sustentabilidade da empresa. Mantenha um fluxo de caixa bem alinhado e planeje os investimentos futuros para aprimorar os resultados do negócio. Uma dica importante é reservar dinheiro para renovar equipamentos indispensáveis para o negócio. Suponha que você compre uma máquina com vida útil de 50 meses. Se poupar por mês o equivalente a 2% de seu custo, ao final do período você terá dinheiro suficiente para comprar uma nova. Pode até pagar à vista e negociar um desconto, sem se preocupar com crédito.

Além disso, faça a gestão do estoque. Esse item é fundamental para evitar que a empresa fique sem mercadorias em períodos em que há picos de venda. Fazendo um bom estudo dos dados, o negócio pode se antecipar a esses movimentos e engordar o estoque antes dessas ocasiões. Talvez os materiais para construção vendam muito na sua cidade por ocasião da Black Friday ou do fim do ano, por exemplo. Como o fornecedor pode demorar em entregar, o planejamento deve ser feito com o máximo de antecedência.

Focar no desenvolvimento interno do negócio é essencial, mas não se esqueça de acompanhar as tendências do setor. Quer saber quais estão se destacando no varejo? É só continuar a leitura!

4. As principais tendências para 2019

Em linhas gerais, os investimentos em sistemas que possibilitem um aumento na qualidade da gestão serão um grande diferencial para as empresas em 2019. Afinal, com a tecnologia cada vez mais presente na vida dos brasileiros, o comércio varejista terá que se adequar às novidades que ela proporciona.

Outra tendência desse mercado são os recursos de mobilidade. Eles permitirão que o gerente da loja, através de dispositivos móveis, possa aprovar um orçamento à distância, realizar pedidos, acompanhar estoques, entre outras funções que só podiam ser feitas na sede da empresa. Isso contribuirá para a redução de tempo na tomada de decisões importantes. 

O autoserviço também é uma forte tendência para o mercado brasileiro. Ele consiste, basicamente, em dar mais autonomia ao consumidor. Se a pessoa quiser adquirir um chuveiro simples, por exemplo, basta que entre na loja, dirija-se ao setor, pegue o item que mais lhe agrada e vá para o caixa efetuar o pagamento. 

Assim, a equipe de vendas só será acionada se for necessário realizar um atendimento mais consultivo e especializado. Isso permitirá um giro maior de produtos, além de mais produtividade por parte dos seus vendedores, que poderão dedicar mais tempo em atendimentos mais complexos.

5. Ampliação dos canais de vendas

Diversificar os canais de vendas é mais uma maneira eficiente de se destacar no mercado varejista brasileiro de materiais para construção. Implantar um e-commerce, por exemplo, reforça o posicionamento da sua marca no ambiente digital e amplia as possibilidades de atrair novos clientes.

Você deve ter ouvido falar no slogan “na loja, no site e no celular”, de uma grande rede do mercado varejista. Sua loja também pode adotar esse tipo de solução. É o que os especialistas chamam de omnichannel. As interações entre consumidor e loja são registradas num único servidor, de modo que a conversa pode começar num canal e continuar em outro, sem interrupções.

Omnichannel também significa fazer seus produtos chegarem até o consumidor. Por exemplo: ele navega no site, encontra um produto que quer, mas vai até a loja física efetuar a compra. Chegando lá, descobre que a mercadoria está em falta no estoque. Em vez de deixá-lo de mãos abanando, uma solução omnichannel localiza rapidamente uma loja que tem o produto, ou até se oferece para enviar a mercadoria para a casa do cliente. Também pode fazer o contrário: o cliente compra pela internet e vai buscar na loja física. A ideia é deixar a experiência o mais conveniente possível para o consumidor.

Uma pesquisa do Forrester Research revela que as vendas na internet dobrarão até 2021. Logo, assumir uma abordagem multicanal ajuda a melhorar a experiência do cliente, que terá mais opções para adquirir os seus produtos. Como resultado, a lucratividade do seu negócio será maior.

6. Perspectivas futuras do mercado varejista brasileiro

As perspectivas para o mercado varejista são cuidadosamente otimistas. A consultoria Tendências, do ex-ministro da Fazenda Maílson da Nóbrega, prevê aumento do consumo das famílias entre 3,5% e 4% em 2019. O Brasil vive uma retomada lenta, mas gradualmente segura; e a Bolsa em alta e dólar em baixa no começo do ano refletem essa expectativa.

O investimento em internet continuará rendendo frutos. A pesquisa Connected Life, da consultoria Kantar TNS, mostrou que 59% dos brasileiros pesquisam mais de uma vez por semana por comidas e bebidas na internet. Mas 14% compram efetivamente pela internet. Se os dados são sobre alimentos, ainda podemos entender que um perfil semelhante de comportamento existe na área de materiais para construção. A internet é fonte de informações e comparações, mas o consumidor ainda prefere ir à loja física. Porém, a tendência é que isso mude com o tempo e cada vez mais gente compre online.

Os hábitos podem mudar rapidamente, como vimos acontecer com o mercado de táxis/Uber e com a comida delivery. Hoje o comum é encomendar por aplicativo e não mais pelo telefone. 

7. Exigências para o sucesso no mercado varejista 

Contar com o apoio da tecnologia

Quem não adotar novas ferramentas no trabalho ficará para trás. A concorrência é grande, e startups novas e redes estrangeiras chegam ao mercado com soluções ágeis e baratas para disputar espaço no mercado. Proprietários de varejo precisam ficar de olho em programas como ERP e CRM para ganharem visões mais claras de seus negócios, automatizarem tarefas e tomarem decisões mais bem informadas.

Realizar a análise de concorrência

Nunca foi tão fácil obter informações sobre qualquer coisa, e isso inclui o que a concorrência anda fazendo. Obter benchmarks é fundamental: por quanto seu concorrente vende o produto X? Quanto paga de salários? A ideia não é copiar os outros, mas identificar informações úteis e fornecer direções. Se outro varejo consegue cobrar certo preço, você provavelmente também consegue.

Reavaliar processos

Quem faz as coisas sempre do mesmo jeito não pode evoluir. Basta observar o que tem acontecido com várias redes varejistas grandes, que tem fechado lojas, enquanto outras conseguiram se reinventar e estão vendendo mais. Para aproveitar a retomada da economia nos próximos anos, será preciso medir resultados e avaliar processos com mais cuidado, buscando formas de reduzir custos, eliminar gargalos e definir prioridades.

Como vimos, é essencial que os gestores fiquem atentos a todos esses aspectos do mercado varejista de material para construção para garantir o crescimento do negócio.

Gostou deste post? Quer continuar recebendo dicas sobre o segmento? Então, assine a nossa newsletter e não perca mais as novidades!