Menu do Site
Copyright MicroUniverso 2017
Gestão fiscal — entenda o quão importante ela é para o sucesso de um negócio
1151
post-template-default,single,single-post,postid-1151,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,qode_grid_1300,side_menu_slide_from_right,footer_responsive_adv,qode-content-sidebar-responsive,qode-theme-ver-10.0,wpb-js-composer js-comp-ver-4.12,vc_responsive
 

Gestão fiscal — entenda o quão importante ela é para o sucesso de um negócio

Gestão fiscal — entenda o quão importante ela é para o sucesso de um negócio

Se a eficiência do controle da área fiscal, o recolhimento e compensação de impostos e o tipo de regime tributário adotado pela sua empresa são assuntos confusos para você e sua equipe, está na hora de aprimorar a gestão fiscal e entender os impactos que ela pode ter no seu negócio.

A gestão fiscal costuma ser um grande gargalo para muitas empresas, e a tendência é que isso se mantenha em função das constantes exigências fiscais que o governo vem fazendo aos lojistas.

Por isso, é importante entender qual é o papel da gestão fiscal no sucesso de um negócio e como fazer com que ela seja, de fato, eficiente.

Continue conosco e descubra tudo o que você precisa saber para manter sua gestão fiscal em dia. Confira!

1. O papel da gestão fiscal

Trata-se de uma área que cuida, principalmente, dos aspectos tributários relacionados a um negócio.

A partir disso, ela visa realizar o acompanhamento daquelas atividades que envolvem tributação, com o objetivo de adequar e melhorar continuamente o planejamento tributário da empresa.

Por essa razão, a gestão fiscal não é isolada dos demais setores, pelo contrário. Ela precisa estar integrada às demais áreas a fim de que todos os processos fiscais do negócio estejam de acordo com o planejamento.

O resultado é a geração de informações extremamente relevantes para a estratégia da empresa, para que possam ser estabelecidos os objetivos e metas de um determinado período sem que aconteçam perdas significativas de recursos financeiros em função dos tributos que necessitarão ser recolhidos.

Além disso, a gestão fiscal é indispensável para que a empresa esteja regularizada com o Fisco, recolhendo adequadamente os impostos sem comprometer a margem de lucro prevista.

Dessa forma, é possível garantir bons resultados desde as operações diárias e rotineiras até a definição do regime tributário da empresa.

2. Sua importância para a empresa

Como já foi mencionado, é de responsabilidade da gestão fiscal manter a empresa atualizada em relação às obrigações tributárias, à escrituração fiscal e ao pagamento de impostos.

Além disso, ela precisa ser eficiente ao analisar e definir a melhor forma de tributação para o negócio — seja pelo Lucro Real, Lucro presumido ou Simples Nacional.

Logo, é possível afirmar que a gestão fiscal é de suma importância para evitar que a empresa seja autuada pelo não cumprimento da legislação. Também é de sua incumbência buscar alternativas para manter a saúde financeira e a rentabilidade da empresa, mesmo com o pagamento de tributos.

Basicamente, sua importância pode ser definida a partir das quatro afirmações abaixo:

  1. mantém a empresa dentro da lei — fazendo com que ela cumpra os procedimentos obrigatórios e pague os tributos devidos;
  2. economiza no pagamento de tributos — analisando quais são as melhores opções de enquadramento e carga tributária;
  3. detalha a realidade da empresa — gerando informações relevantes para a tomada de decisão, baseadas no controle interno do negócio;
  4. auxilia a avaliar decisões futuras — ajudando com a previsão de faturamento, despesas e necessidades de investimento de forma clara e realista.

Compreendida a importância da gestão fiscal para a empresa, é hora de entender como ela funciona. Vamos lá?

3. O funcionamento da gestão fiscal

Para que seja realizada uma gestão fiscal de qualidade, é preciso emitir e acompanhar o registro das transações fiscais ocorridas na empresa. Assim, além de reduzir significativamente as omissões acerca do orçamento, ainda é possível diminuir os erros cometidos nas operações cotidianas.

Por isso, o primeiro passo para o funcionamento da gestão fiscal depende do registro das operações fiscais, que depois são submetidas a avaliação (ou reconciliação), a fim de identificar eventuais divergências entre o orçamento disponível e os registros financeiros.

Objetivando a agilidade e facilidade dessas atividades de monitoramento, controle e adequação, o mais indicado é investir em um sistema de gestão fiscal.

Em geral, os melhores sistemas para essas atividades são os ERPs, que funcionam de forma integrada para fornecer suporte à gestão empresarial. Um ERP pode ser um ótimo aliado para:

  • otimizar processos;
  • fornecer uma visão geral de toda a empresa;
  • reduzir custos;
  • eliminar desperdícios e prejuízos.

Que tal conhecer alguns dos erros mais comuns cometidos na gestão fiscal?

4. Erros mais comuns

Apesar de não parecer, podem ocorrer vários erros na forma como as pessoas realizam a gestão fiscal de suas empresas, desde pequenos descuidos até a falta de informação sobre determinados aspectos.

Por isso, separamos para você os principais erros cometidos para que você possa evitá-los na sua empresa! Vamos conferir?

Não ter clareza sobre os tributos

No Brasil, existe uma série de tributos municipais, estaduais e federais que contam com regras diferentes entre si, com alíquotas, formas de pagamento e prazos distintos. Isso pode resultar na confusão entre as informações sobre cada tributo.

Por isso, é importante contar com um profissional que possa esclarecer quais são os tributos que a empresa precisa recolher e como eles podem ser pagos.

Deixar de buscar ajuda

Muitos empresários e empreendedores acabam tendo dúvidas sobre a gestão fiscal do seu negócio e cometem o erro de não procurar ajuda para esclarecê-las. Existem muitas opções para quem precisa de apoio com os processos fiscais, desde profissionais da contabilidade até empresas especializadas na gestão de negócios.

Outra opção interessante é investir logo em um sistema integrado de gestão, que dará suporte às decisões relativas a qualquer área da empresa.

Se você acredita que esses auxílios são muito caros para o orçamento do seu empreendimento, saiba que o descumprimento das obrigações fiscais pode pesar bem mais nas finanças.

Deixar algum recolhimento para trás pode resultar na situação irregular da empresa junto à Receita Federal, ocasionando multas ou, em alguns casos, a inviabilidade de participação em licitações públicas, por exemplo.

Agora que você já conhece a importância de uma boa gestão fiscal para o sucesso da sua empresa, que tal descobrir outros pontos que podem ser aprimorados no seu negócio? Assine nossa newsletter e fique por dentro dos nossos conteúdos!