Menu do Site
Copyright MicroUniverso 2017
Entenda qual é a importância da implantação de sistemas em módulos
1430
post-template-default,single,single-post,postid-1430,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,qode_grid_1300,side_menu_slide_from_right,footer_responsive_adv,qode-content-sidebar-responsive,qode-theme-ver-10.0,wpb-js-composer js-comp-ver-4.12,vc_responsive
 

Entenda qual é a importância da implantação de sistemas em módulos

Entenda qual é a importância da implantação de sistemas em módulos

A escolha de um software de gestão é, por si só, bastante complexa. O processo exige atenção, critério e análise, garantindo que a tecnologia escolhida seja a mais condizente com as operações da organização. Além disso, dentre os atributos passíveis de avaliação, é importante observar a possibilidade da implantação de sistemas em módulos — de forma a facilitar o processo de integração e usabilidade.

Se você está reunindo informações úteis sobre o ERP e busca entender, em mais detalhes, quais são as possibilidades que a solução oferece, não deixe de ler o conteúdo até o final! No post, você conhecerá um pouco mais sobre a construção estrutural do software — que se divide por módulos complementares — e terá acesso às principais vantagens de realizar uma implantação processual.

Preparado? Vamos em frente e boa leitura!

O que são os módulos de um sistema de gestão?

De forma geral, o ERP pode ser descrito como a tecnologia que possibilita a alavancagem empresarial. Por meio de recursos eficientes de controle, os gestores têm mais confiança para tomar as decisões que maximizem a competitividade — e reflitam positivamente nos lucros corporativos.

Uma das principais características desse tipo de software é, sem dúvida, a capacidade de integrar todas as unidades do negócio, centralizando informações e minimizando o retrabalho. Além disso, o fluxo operacional é beneficiado pela redução dos erros manuais, o que melhora a performance das equipes.

Mesmo diante de tantos benefícios, é comum que os gestores se sintam inseguros no momento de optar por uma solução — ou de efetivar a substituição de sistemas. Para amenizar a incerteza e, ainda assim, aproveitar as vantagens que um bom ERP pode agregar à empresa, a implantação modular é uma excelente alternativa.

O software de gestão é robusto por natureza (do contrário, não seria capaz de contemplar todos os departamentos corporativos), mas sua organização multisetorial, agrupando funcionalidades e microserviços, permite que sua implantação seja gradual.

De forma a assegurar uma adaptação segura e tranquila, o gestor pode optar por escalar a implantação dos módulos; os quais, de modo geral, podem ser classificados em 3 categorias prioritárias: operacionais, estratégicos e táticos.

Os módulos operacionais, como o próprio termo sugere, são responsáveis pela viabilização das atividades cotidianas. Detalhando um pouco mais, é possível encontrar módulos verticais e horizontais que correspondam à operação.

Os horizontais são, por exemplo, Compras, Contabilidade, Custos e Estoque. Os verticais, por sua vez, são os que nasceram para rotinas bem específicas, tais como call center ou gestão educacional, no caso de uma instituição de ensino.

Em paralelo, os módulos estratégicos e táticos objetivam:

  • contribuir para a disponibilização de informações que melhorem a tomada de decisões, tais como relatórios e balanços;
  • otimizar a gestão de relacionamento com a carteira de clientes;
  • administrar a cadeia de suprimentos;
  • disseminar (e fortalecer) o conhecimento na organização;
  • gerir riscos com agilidade e inteligência.

Na prática, é possível perceber que os módulos são complementares e, para que sejam capazes de maximizar a produtividade, os gestores devem dispor de ambos.

Uma empresa corretamente operacionalizada, por mais que minimize erros e agilize a execução das atividades, peca em estratégia e pode não atingir os níveis esperados de resultados e crescimento. Da mesma forma, uma empresa sem padronização de fluxos não terá base de análise confiável.

É totalmente viável, porém, que a implantação do sistema de gestão seja realizada por fases, facilitando a penetração da tecnologia, reduzindo o stress da mudança e fortalecendo o fluxo de caixa da organização.

Assim, funcionários e lideranças podem se adequar gradualmente e atenuam os riscos de comprometer todas as atividades da empresa em função de alguma eventual dificuldade para manejar a ferramenta. 

Quais são as vantagens da implantação de sistemas em módulos?

A possibilidade de realizar uma implantação modular é bastante atrativa — afinal, organiza as operações, não prejudica o andamento do negócio e, ainda assim, confere todos os benefícios de uma operação totalmente integrada. Aproveite para conhecer algumas das principais vantagens de optar pela implantação por etapas.

Evitar insatisfação

Toda mudança pode gerar desconforto. Afinal, processos que se enraizaram na rotina da organização podem ser difíceis de mudar. É importante ter em mente, entretanto, que qualquer transformação que se proponha a melhorar os resultados corporativos deve ser testada, validada e perpetuada.

Em uma implantação modular, há mais espaço para adaptação. Assim, a insatisfação gerada pela mudança tende a ser menor, mais controlada e mais rápida — uma vez que o acompanhamento é específico e segmentado por grupos.

Padronizar processos

A oportunidade de revisitar procedimentos, identificando se ainda são pertinentes ou se precisam passar por ajustes, deve ser encarada como uma excelente possibilidade de alavancar rotinas e resultados.

Ao automatizar os processos no ERP, as equipes têm a chance de reavaliar as instruções de trabalho e formatar um fluxo mais sinérgico e produtivo. Em seguida, a padronização assegura que haja segurança na execução e agilidade na entrega.

Manter o ritmo operacional

Muitas vezes, o maior empecilho para uma implantação sistêmica é justamente o medo de comprometer o andamento das atividades corporativas. Em um mundo altamente dinâmico, no qual a competitividade de mercado exige respostas imediatas, é importante que as áreas continuem funcionando perfeitamente.

Por isso, a implantação por fases permite que a empresa continue funcionando bem próximo de sua normalidade. Como os grupos são menores — e, também por isso, o acompanhamento é mais próximo —, os impactos são restritos e passíveis de ação eficaz em menos tempo.

Diante disso, é evidente que os gestores devem analisar o panorama de suas companhias, inclusive confirmando o planejamento e as atividades já programadas, para então considerar com seriedade a implantação gradual.

É importante frisar, entretanto, que não se trata de optar por um departamento em detrimento de outro, aplicando a tecnologia de gestão apenas a setores específicos. Na verdade, a implantação de sistemas em módulos garante que os ganhos operacionais sejam sinérgicos e integrados, atingindo todas as unidades de negócio sem impactar toda a operação ao mesmo tempo. 

O conteúdo contribuiu para esclarecer algumas de suas dúvidas e permitirá que você tenha mais segurança em suas análises e decisões? Ótimo, nosso objetivo foi atingido! Para entender como podemos ajudá-lo a maximizar os resultados do negócio sem comprometer o fluxo das suas operações internas, não hesite: entre em contato conosco agora mesmo!